quarta-feira, 20 de junho de 2018

Silêncio


Desde muito cedo eu aprendi a ficar quieta a respeito dos meus pensamentos, meus sentimentos e emoções. Não era legal falar a respeito disso. Era um incomodo para quem não estava nem aí com você.

Como se fosse um cisco no olho que a gente tenta tirar e não consegue, sabe? Era e é mais ou menos assim que eu me sentia e às vezes ainda me sinto.

Ué? Mas logo você, não conseguir falar sobre algo? Pois é.

A verdade é que falamos, falamos e falamos o tempo todo. Sobre coisas que não importam, sobre coisas que talvez importam. Sobre os outros, sobre negócios, sobre a vida. Mas por que será que falar sobre os nossos sentimentos nos dói tanto? A sensação que eu tenho de falar sobre os meus sentimentos, minhas opiniões e o que eu penso é a mesma como se me rasgassem por dentro. Ou como se tivesse me encurralando no canto de uma parede e apontando o dedo no meu rosto me pressionando para eu dizer algo. Eu me sinto pressionada. Eu me sinto acuada e às vezes a minha vontade é de sentar e chorar. Chorar até tudo passar e eu não ter que falar sobre. Mas tudo isso é muito cômodo, sem falar que extremamente solitário. E doloroso.

Eu jamais achei que fosse me sentir pressionada para fazer alguma coisa. Até mesmo porque eu simplesmente faço de tudo. Você precisa que eu pague as contas mesmo sem ter dinheiro? Ok, me dê um tempo e eu consigo. Você precisa que eu corra 15km em busca de alguma coisa para você? Ok, eu consigo. Você precisa que eu esteja linda e sorrindo mesmo estando destroçada por dentro? Ok, eu consigo. Mas eu jamais achei que falar sobre isso, sobre meus sentimentos fosse me fazer sentir tão fraca e impotente...

Continua. Ou não.

terça-feira, 5 de dezembro de 2017

Sometime..

  A alegria estava estampada em seu rosto... seu sorriso largo não conseguia se desfazer, por mais que tentasse. As têmporas doíam de tanto que sorria. O brilho em seu olhar, o coração batendo forte e o vento que brincavam com os seus cabelos. Correu para o violão e tirou a poeira daquele que há tanto tempo não conversava:
- Como vai você, meu bem?
  Enquanto seus dedos brincavam com as cordas, a lágrima de felicidade brotava dos seus olhos para lavar seu rosto. E então ela cantava:
You think I'm crazy I can see
It's you for you, and me for me
Living in a fantasy
From now on

segunda-feira, 9 de outubro de 2017

 I wanna know...
 I wanna know you...
 Well let me know you
 I wanna feel you
 I wanna touch you
 Please let me near you
 Can you hear what I'm saying?
 Well I'm hoping, I'm dreamin', I'm prayin'
 I know what you're thinkin'
 See what you're seein'
 Never ever let yourself go

 

quinta-feira, 5 de outubro de 2017

Metade

Metade de mim, metade de nós. Metade do dito, metade do não dito.

Meta. De.

segunda-feira, 2 de outubro de 2017

Rotina

Enquanto a lua brilhava lá fora, o vento brincava com os cabelos do seu rosto, entrando pelas janelas e bagunçando as cortinas... as marcas do óculos nas têmporas e em cima do nariz deixava tudo mais delicado e divertido. O olhar de cansaço misturado com a risada que aliviava ao mesmo tempo... A taça de vinho, os sapatos que ficavam no caminho. O barulho da madeira estalando enquanto o violão saía do quarto.

Um rodopio, um tropeço, um suspiro. 

Um riso abafado.


sexta-feira, 29 de setembro de 2017

Parada, ela olhava para a janela com o lápis na mão direita e o caderno na mão esquerda e os fones de ouvido tocando... seu coração parava por alguns minutos antes de desenhar palavras em uma folha de papel. Perguntas e mais perguntas na cabeça, sentimentos em forma de grafite sendo colocados em um caderno com as folhas douradas.

O sentimento de angústia, de aperto no peito, misturados com alívio e segurança, com a certeza de que sua parte tinha sido cumprida. É engraçado como segurança e insegurança caminham juntos e tão próximos. Uma dúvida, uma incerteza, uma loucura... um sentimento de querer ir e se jogar, enquanto um te puxa e pede "seja sensata". 

A visão embaça muito antes das lágrimas virem em uma tentativa de limpar o coração.