terça-feira, 29 de julho de 2014

Um whisky, por favor.

Eu odeio quando coisas ruins acontecem. Eu fico mal, me sinto mal... Por mais que eu tenha essa coisa da felicidade, coisas ruins acontecem... O foda é quando acontecem com pessoas que você se preocupa e não pode estar presente pra dar um abraço se quer.

É nessas horas (como em tantas outras) que eu me lembro que o que eu mais preciso é um gole do whisky que aprendi a beber há um tempo atrás e de Animals tocando no meu iPod. 

A verdade é que estar longe sucks. Por vários motivos. Estar longe de quem a gente quer bem é horrível porque quando a pessoa precisa de consolo, você trava. Trava porque simplesmente não sabe o que dizer... E nem tem o que dizer, na verdade. Pode ser que sua fala alive a dor, mas não existe nada melhor do que um ombro e um abraço.

Ah, como eu preciso do whisky e do Pink Floyd entrando em minha alma.. Infelizmente eu só posso o Pink Floyd no momento... E o abraço ficará para daqui duas semanas.

domingo, 27 de julho de 2014

Rule number one is that you gotta have fun 
But baby when you're done 
You gotta be the first to run

So I think I'm gonna wear a heart on my cheek...
Game on!

Deixe a morena contente, deixe a menina sambar em paz...





"Por trás de um homem triste há sempre uma mulher feliz
E atrás dessa mulher mil homens, sempre tão gentis
Por isso para o seu bem
Ou tire ela da cabeça ou mereça a moça que você tem.."

sexta-feira, 25 de julho de 2014

Ah! Já ia logo me esquecendo.. você que lê meus textos - não sei bem quem você é. Ou quem são, vai saber. Mas vocês sabem quem eu sou, ou pelo menos leem um pouquinho de mim quando coloco esses textos aqui.

Vou escrevendo o que penso para descarregar meus sentimentos aqui, para que eles não fiquem presos em meu coração. E nem meus pensamentos presos na minha cabeça. Vou escrevendo, seguindo o fluxo da minha mente e do meu coração, ou seja, não sou lá uma pessoa tão racional. Então você com certeza irá perceber que começo falando sobre um assunto e eu mesma, sozinha - nem sempre sozinha, a música sempre me influencia e influencia pra caramba! - mudo no meio e termino falando sobre outra coisa, às vezes a ver ou às vezes completamente nada a ver com o começo, pelo menos para você.

Essa é a minha cabeça, meu coração e quem eu sou.

Um beijinho pra você. =*
Me pergunto várias vezes se estou no curso certo... e acredito que não há nada de errado com essa pergunta, afinal temos que escolher qual carreira profissional seguir tão jovens... Para mim, alguém com 17 ou 18 anos nem sempre está preparado para escolher ou decidir sua carreira profissional.

Sei que quero ser psicóloga, mas queria ser tantas outras coisas... Meu curso tem uma formação muito clínica e por isso acaba afogando muitas outras áreas que possivelmente posso ter interesse. Como por exemplo, na área comercial e empresarial, não somente com consultorias ou dentro dos recursos humanos, mas com um toque de publicidade e propaganda, talvez? Não sei... só sei que a cada dia que passa vou me descobrindo cada vez mais e vendo que tenho um campo de trabalho imenso para explorar e consequentemente mais tópicos para estudar. 

Esse semestre eu quero e decidi que vou me empenhar mais do que todos os outros semestres. Não somente porque acabei de entrar em uma nova fase de minha vida, mas porque agora, mais do que em outros tempos, sei que tenho potencial para ser o que eu bem entender, e ser uma - desculpe o linguaja - puta de uma psicóloga. Várias pessoas já me falaram isso antes, mas eu acho que eu mesma não acreditava nisso. E agora eu estou, quem sabe, começando a acreditar em meu potencial e ver que sou capaz de milhares de coisas. 

Eu sou sim capaz e não sou como outras meninas ou meninos estudantes de psicologia. 
Eu sou única. Eu sou jovem e nesse mundo está ficando cada vez mais difícil de encontrar alguém verdadeiramente empenhado com o seu trabalho e acredito que eu possuo essa qualidade. Eu sou sim uma menina empenhada, só não tive mostrando muito esse meu empenho com a faculdade, reconheço. Eu batalho pelo que eu quero mais do que qualquer outra pessoa que eu conheça. Na verdade, consigo contar nos meus dedos pessoas que batalham para seguir o que querem em sua vida. 

Três pessoas que para mim, são meus exemplos e podem até não saber disso: uma amiga muito querida que é muito, mas muito parecida comigo. De mês de nascimento, de signo, de faculdade e de garra. Me vejo como ela daqui alguns anos e para mim seria algo que eu teria muito, mas muito orgulho de ser. 

Meu tio. Afinal, alguém que vem de uma família humilde, ter trabalhado no CEASA, no shopping, filho de pais sem estudo completo... e ter conseguido completar uma faculdade de engenharia mecânica e estar morando nos Estados Unidos... me desculpe, mas não é para qualquer um. É apenas para quem tem coragem de seguir seus sonhos.

E minha tia. Minha tia, esposa do meu tio que falei aí em cima, que agora tenho descoberto que sempre foi muito determinada e sempre batalhou pelo que quis desde pequena e nunca desistiu. Vai me falar que isso não é ter garra e determinação para conseguir o que quer? E gente, almejo ser uma mulher como ela. Alma leve, elegante, brincalhona, de presença, firme, com garra... ai ai, tia, quero ser você quando crescer!

E embora essas três pessoas são exemplos de determinação para seus sonhos... tenho meus pais que são um exemplo de garra e determinação, não para conseguirem alcançar seus sonhos, mas sim para conseguir fazer suas filhas conseguirem alcançar os seus. Muitas vezes eles têm de desistir de sonhos que eles tinham para eles para conseguirem me ajudar e ajudar as minhas irmãs a alcançarem seus sonhos. Fico pensando nas milhares de coisas que meus pais deixaram de fazer para eles e até mesmo para as minhas irmãs para conseguirem me manter aqui nos Estados Unidos. É, não é coisa pouca não. Eles, para mim, são exemplos diários de pessoas que lutam incansavelmente para conseguirem darem ao menos um pouco de conforto para a sua família.

E é por essas pessoas e acima de tudo, por mim mesma, que eu vou mostrar que eu sou capaz. Que eu sou uma pessoa de garra, que lutará sempre pelos seus sonhos. Não vou deixar ninguém dizer o contrário. Eu vou mostrar e afirmar todos os dias que todo o esforço que meus tios e meus pais fizeram por mim valeu e muito a pena. 

Pais, tios e amiga querida... muito obrigada por serem meus exemplos, mesmo até sem saberem. E aos meus amigos e pessoas que estão ao meu redor e que eu desejo o bem com todo o meu coração.
Vocês ajudaram e ajudam todos os dias a construírem uma Milena com mais força de vontade do que nunca.

Gente também é semente

Acabei de ouvir uma música que faz muito sentido na minha cabeça. Acho que na de outros também, mas quem sou eu pra colocar pensamento na cabeça de outras pessoas...

A música compara planta com sentimentos... para uma semente vingar, é preciso regá-la e plantá-la em uma terra condizente, como o próprio músico diz. Ou seja, tem que plantá-la em um lugar bom. Temos que cuidar dessa semente para que ela vire uma planta. E quando essa semente virar planta, não podemos simplesmente esquecer dessa plantinha que nasceu. Temos que continuar cuidando dela, senão ela morre, fim de história.

E é então que ele diz que gente também é semente. E não é? Nós somos sementes e se a gente encontrar uma terra condizente, encontraremos um lugar para que nossos sentimentos cresçam, se desenvolvam... mas precisamos ter cuidado e carinho com eles, pois eles podem vingar como podem não vingar. 

Semente boa não vinga em terra ruim e nenhuma terra milagrosa salva uma semente ruim. Precisamos cuidar de nós mesmos para que nossos sentimentos cresçam. Mas lá vem um outro pensamento que me surge agora: todos somos sementes, mas todos somos terra também. Afinal, alguém vai, em algum momento de nossas vidas, tentar fazer seus sentimentos vingarem na gente e vice-versa. Se cuidarmos de nós mesmos, além de boas sementes, seremos boas terras também. Porém tem tipos de terras e tipos de sementes. Afinal, cada semente tem um melhor tipo de terra pra crescer. Vai dizer que não somos assim? Algumas pessoas combinam, mas se não cuidam uma das outras, não vingam. Às vezes elas podem até não ser tão compatíveis, mas se cuidamos bem e tivermos carinho, cresce. 

E assim vai.
Me desculpem os devaneios, mas ouvir música às 01:34 A.M. dá nisso, minha gente. Fazer o que se a minha mente não para de pulsar e tem esse desejo intenso de se tornar palavras, formando frases seja aqui no blog ou no meu caderno de cabeceira...





Plante uma boa semente
Numa terra condizente,
Que a semente dá.

Pegue, regue bem a planta
Que nem praga não adianta.
Ela vai vingar.

Planta é como o sentimento:
Tem o seu momento,
Tem o seu lugar.

Regue bem seu sentimento
Porque rega no momento
Não pode faltar.

Gente também é semente:
Tem que estar contente.
Tem que respirar.

Plante uma cidade toda
Ou ponha gente em seu contorno.
Bota pra quebrar.

Olha sua planta baixa.
Cedo ou tarde, vai ou racha,
Vai ter que baixar.

Plante onde não chega o vento.
Dentro do cimento,
Nem é bom pensar.

quinta-feira, 24 de julho de 2014

Com você eu tudo quero, com você eu tudo posso ♥


I'm a jazz song

Ahhh o jazz... Um desses dias, peguei meu caderno e comecei a escrever o que passava na minha mente. As palavras começaram a dançar em meu pensamento enquanto escutava o jazz que tocava no Superplayer. E ah, o jazz...

Posso parecer um pouco maluca agora, mas me identifico muito com o jazz. Se eu tivesse que me descrever agora, usando poucas palavras, acredito que iria me descrever como sendo uma música de jazz. "I'm a jazz song...". Mas pera, como assim? Não, eu não fiquei maluca (ao menos não ainda). Mas existe coisa melhor do que ouvir um bom jazz? Enquanto caminhava pelas ruas da Filadélfia, vi por alguns minutos um senhor tocando seu sax, pelo menos eu acredito que fosse um sax, perdoe-me a ignorância sobre os instrumentos musicais, mas não vem ao caso.

A verdade é que eu me sinto leve quando escuto jazz. Me sinto leve, feliz, alegre... me sinto como se eu fosse uma brisa, ou pelo menos como se a brisa passasse em meus cabelos e me fazendo cócegas em meu rosto. É tão bom... Imagina ser uma música de jazz? É como se eu fosse leve, meiga... mas ao mesmo tempo sedutora e envolvente. Pense em uma situação assim... e me diga, jazz não se encaixa perfeitamente?

Não estou querendo me gabar ou coisa assim dizendo que acredito que me pareço com uma música de jazz, não é isso... Só que ser algo leve, alegre e envolvente me encanta tanto que para o meu pensar, louco é quem não gosta ou não gostaria de ser uma música de jazz.

Oh man... And all that jazz!

E pra terminar, um pouquinho de jazz procêis.

Uma que acredito ser desconhecida para muitos:



E a música que me mostrou como jazz é tão gostoso e envolvente, mais conhecida por quase todos:

segunda-feira, 21 de julho de 2014

Apenas: Milena

Eu tenho meus momentos pra pensar, assim como todo mundo. Têm dias em que penso somente alguns minutos, têm dias que penso o dia inteiro... Isso pode variar de acordo com o meu humor ou até mesmo o meu estado emocional.

Agora, deitada e com o quarto quase que completamente escuro, exceto pela luz do meu celular, estava pensando... Na verdade, estava mais sentindo do que pensando. E tudo bem, porque sou uma pessoa que é praticamente movida apenas por sentimentos.

Estava sentindo saudades. De pessoas diferentes, de momentos diferentes... De lugares diferentes. Estava com saudade de quem não processava nenhuma doçura, quem dirá a minha doçura. Eu que sou uma pessoa completamente doce... Estava com saudade do lábio de quem não abre a mão de sua cerveja e de seu violão... Saudade de quem me espera com uma guitarra e sonha - literalmente - com as nuvens e o céu, seja ele azul pelo sol ou pela ausência de luz. Saudade daquele que infelizmente terei de desapontar, mas que infelizmente tem muito, excessivamente, pra dar. Saudade daquele em que adoro com que pense que me tem nas mãos mas quando percebe, meus cabelos já se escorreram pelas suas mãos e tira o meu sorriso mais perverso... 

Sinto sim saudade... Isso quer dizer que os momentos tiraram, em algum momento, o meu sorriso. Não que seja tão difícil assim, pois como já disse, meu sorriso é leve e solto. Porém nem tudo ou todos de que sinto saudades, estarão presentes na minha vida, como alguns já não estão. Alguns estarão, como estão, por um bom tempo em minha vida. Porém eles talvez não serão meus. E o que significa ser meu, pelo menos no contexto do meu pensamento neste momento? 

Ser meu, neste contexto, é aquele que verá e conhecerá todos os meus lados. O lado amigo, meigo, fofo, explosiva, não tão meiga assim... Meu sorriso levado, meu olhar meio malvado.. Meu olhar de gula, de desejo... Meu olhar de alegria, amor e felicidade. Sim, aquele com quem irei me abrir completamente, talvez não por toda vida, mas por um breve momento, assim como foi com aquele que fui mas não soube entender, ou melhor dizendo, processar. Talvez pense que me conheça, mas com certeza afirmo que não. Meu padrão de comportamento, quem sabe, mas não a mim mesma, Milena. "Amorosa, agradável, carinhosa..."

Açucarada? Com certeza.

E a saudade não me machuca mais. Hoje me deixa um sorriso no rosto, pois a saudade me traz lembranças que compõem quem eu sou. Quem eu vou ser. 

A tristeza talvez passe por aqui algum dia novamente, afinal somos todos humanos e infelizmente não somos imunes a ela, mas aprendi que devo todos os dias lutar junto a minha felicidade, a minha maluquisse, a minha doidera, a minha alegria, a minha fofura, a minha esquisitisse para que ela jamais se aposse novamente do meu coração.

A maioria das pessoas procuram alcançar a felicidade e não cabe a mim dizer se elas estão certas ou erradas. Acredito que cada um sabe melhor do que ninguém o que quer pra sua vida. Às vezes as escolhas não são das melhores mas não podemos negar que alguma lição e aprendizado as escolhas deixaram em sua vida.

Eu percebi hoje, quando olhava sozinha as pessoas andarem de bicicleta no Central Park que não procuro felicidade. E isso não quer dizer que eu quero ser triste ou coisa do tipo. Acho que uma das coisas que eu mais procuro em minha vida, acima de todas as coisas é paz. Paz de espírito, quem sabe? Mas principalmente a paz interior. E creio que sim, estou no caminho certo para isso.

Porém não faço de tudo para alcançar essa paz, confesso. Além de acreditar que meu foco não seja felicidade, não gosto da ideia de sair enlouquecidamente procurando por elas por aí e fazendo de tudo para que elas aconteçam ou que eu as sinta... Não sinto essa paz e essa felicidade todos os dias, mas sinto que a tenho e sou feliz a cada dia que passa. São momentos simples como a vista do Central Park que me mostram isso.

Momentos que conseguem alterar a minha caminhada do dia-a-dia, momentos esse que são gotas pequeninas como colírios que me ajudam a enxergar melhor a minha vida e a tentar olhar o mundo com um olhar realista, porém de um lado positivo. Gotas que além de me ajudarem a enxergar esse lado positivo, limpam a minha visão e me fazem crer que tudo, tudo o que passei, passo e irei passar valem a pena.

quarta-feira, 9 de julho de 2014



Lembra que no primeiro toque deu choque...
Lembra que você mudou de cor...
(...)
Lembra do seu corpo junto do meu?

sábado, 5 de julho de 2014

Deixe pra trás o que te entristece...

Deixa... deixa acontecer, deixa estar. Eu acho que a música que eu ouvia quando meu mundo e minha vida começou a mudar de forma faz mais sentido agora do que antes. Deixa estar, vai... Pra quê se preocupar? As coisas precisam de uma dose de preocupação até para que elas comecem a tomar forma, a tomar um propósito, mas acredito agora mais ainda que tudo tem o seu lugar e o tempo vai se encaminhar de colocá-las lá. O tempo e o universo se encarregam disso, sem dúvidas.

Vou continuar com esse meu sorriso e meu riso, porque aprendi que eles não dependem de ninguém. Claro que alguém pode ser o motivo deles, mas não de todos. O melhor motivo para um sorriso sou eu mesma. As coisas que vi, que vivi e que senti, ninguém pode tirar de mim. Minha felicidade não depende de ninguém, só de mim mesma.

Minhas viagens e meus sentimentos são as minhas maiores preciosidades e triste aquele que depende de alguém ou de uma paixão platônica, por alguém que nem conhece como motor de sua vida. Acho que tudo o que aconteceu só demonstra que o motor para minha vida ter sentido, cor e alegria sou eu mesma.