domingo, 28 de dezembro de 2014

"Sou ariano
Sou agressivo
Sou violento
Sou impulsivo
Um batalhador
Um guerreiro
Que sempre luta sempre contra a própria dor
Sensivelmente insensível
Mas sou sincero
Sou vencedor
Eu sou o primeiro que sempre caiu
E o primeiro que sempre se levantou
E o mais importante:
Eu sou feliz
Eu sou completo por eu ser do jeito que eu sou."

terça-feira, 16 de dezembro de 2014

Vá embora, violão

Ariana com ascendente em touro e lua em câncer. Essa sou eu. Teimosa, comilona, briguenta, explosiva, impulsiva, apaixonada, desapaixonada, falante, comunicativa, sociável, amorosa, carinhosa mas não melosa. Líder, mas preguiçosa, ativa mas procrastinadora. Tenho certeza, mas mesmo assim sou confusa, escolho e sofro, sofro mas nem tanto assim. Sofro e depois não ligo, mas um rancorzinho fica. Pra depois ir embora e eu nem lembrar mais da sua existência, até você passar na minha frente de novo. Fogo, calor, mas gelo e frio ao mesmo tempo. O fogo que te aquece mas também pode te queimar. 

E é por isso que eu digo: vá embora, violão. Vá embora porque você não merece esse lugar. 


Eu

"Nossa, mas que egoísta esse título."

Sim, até eu mesma concordo que esse título é bem egoísta. Mas e daí? O blog é meu, o texto é meu e quem está escrevendo este texto sou eu. Por que não deveria ser egoísta? Ultimamente eu tenho tentado ser mais egoísta e olha só: eu tenho conseguido. E como é bom ser egoísta. 

Eu acho que passei muito tempo e boa parte da minha vida me preocupando demais com o que os outros pensavam e não só com o que eles pensavam, mas preocupada com eles mais do que comigo mesma. Tem pessoas que dizem que isso é um dos reflexos das pessoas que não gostam de olhar para si mesma por causa de autoestima ou porque elas preferem não encarar os seus problemas; eu não sei se concordo ou não com isso, confesso. Acredito que em partes eu não queria mesmo olhar para as minhas questões, mas em outras partes eu estava sim bem comigo mesma, sem problemas e sei lá, eu só achava que eu não valesse tanto assim para ficar me preocupando comigo o tempo inteiro. Os outros valiam mais a pena do que eu. 

A questão é que... eu não tenho que viver para os outros. Eu não tenho que viver em prol das expectativas alheias, sendo quem eles querem que eu seja. Eu tenho que ser quem eu bem entender, quem eu quero ser, fazer as coisas que me satisfazem e sei lá, se preocupar mais comigo mesma. Qual o problema de se preocupar comigo mesma? Olhar para mim e perceber que eu quero fazer algo que independa de outra pessoa? A sociedade de hoje espera muita empatia dos outros e as pessoas se doem muito quando não a encontram. A questão é: aceitem que dói menos. Muito menos!

A sociedade não vai ser sempre empática conosco e nós temos que aceitar isso ao invés de nos doer. Felizes e despreocupadas são as pessoas que entendem isso e que tentam fazer o máximo para que suas vidas sejam repletas de amor, empatia e felicidades próprias. Temos que ter empatia com nós mesmos. Temos que nos aceitar mais, nos ouvir mais, ouvir nossos pensamentos, nossos desejos, nossos corações. Temos que enxergar e respeitar mais os nossos limites para que assim consigamos só depois descobrir, enxergar e respeitar os limites dos outros. Como vamos entender o limite das outras pessoas se não entendemos os nossos próprios?

A questão é que temos sim que ser um pouco egoístas. Não estou falando de virarmos Narcisos e sairmos por aí mergulhando profundamente em nós mesmos. Embora nós sejamos lagos e Narcisos ao mesmo tempo, temos que entender que o mergulho interno é tão viciante quanto o canto da Iara que acaba por nos afogar e nos matar com seu brilho e encantamento... o mergulho dentro de nós mesmos tem que ser equilibrado. Um nado aqui e outro ali, mesclando aos poucos com mergulhos profundos e voltando a superfície sempre - pois podemos nos perder e não voltarmos mais de nós mesmos. 

Porém para entender melhor tanto a superfície quanto o nosso lago, devemos equilibrar essas nossas viagens entre mergulhos e retornos a superfície, para que possamos melhorar sempre nossa compreensão sobre todos os fenômenos.

terça-feira, 9 de dezembro de 2014

Sinta a energia que emana dessa fonte de vida
O Sol exaltado sempre trás boa aventurança
Para os reis e seus amados
Apolo nunca esteve tão encantado.
Ares me sorri e diz assim
"Vá, agora é tua vez de brilhar"
E eu vou, com ímpeto, sem medo
Com um sorriso louco nos lábios
E instinto de um guerreiro.
Porque eu nasci pra lutar,
Eu nasci para abrir caminho.
Não me importa o que me espera
Se são rosas ou espinhos.
A chama da vida, o brilho da coragem
Não gosto dos fracos
Que não me apareçam os covardes.

Eu quero junto de mim os loucos
Os que tem esperança.
Quero junto de mim apenas
Os que são tão livres quanto uma criança
Quero fazer o impossível
Quero ser o primeiro
Quero viver e morrer como um nobre guerreiro.
Porque eu nasci pra lutar,
Eu nasci para abrir caminho.
Não me importa o que me espera
Se são rosas ou espinhos.
Você acha que isso é loucura
Mas pra mim loucura é não viver.

E se você não tem coragem pra vida
Saia do meu caminho, pois estou aqui pra vencer.



Who are you?

A graça de escrever é que às vezes nós estamos inspirados por um sentimento sem tê-los ou sentí-los de verdade. Acho que essa é uma das coisas que eu mais acho graça e que ao mesmo tempo acho encantador. Realmente o poeta é um eterno fingidor.... com isso concordo plenamente. 

Sempre tentei escrever os meus textos sem me importar com quem os lia.. afinal, eu tenho que deixar a minha criatividade e espontaneidade fluir, certo? Mas confesso que às vezes eu fico pensando: quem me lê? Quem está sabendo o que estou escrevendo? Acho até que quem acompanha (que eu não sei quem são essas pessoas, ahaha) percebeu que fiquei um tempo sem aparecer por aqui, mas isso não significa que parei de escrever. Meu caderno de ideias e textos ainda está recebendo a tinta da minha caneta quase todos os dias em seus papéis...

 Sei que passei o link do meu blog para alguns amigos meus, poucos, confesso, com a esperança de que eles conhecessem um pouquinho das palavras que eu gosto de juntar e ver no que dá. Mas quem é você? Por que continua vendo meu blog e lendo meus textos? São poucos, algo em torno de 5 ou 7 pessoas, mas são pessoas que para mim, já são importantes. Importantes porque eu nunca imaginei que o que eu escrevo um dia pudesse ser lido por pessoas que não eu mesma...
Essa música, essa letra, nessa versão, cantada desse jeito... <3